Você não tem nenhum item em seu carrinho de compras.
Pesquisa
Voltar para todos os posts do blog

VOCÊ CONHECE O 7º OBJETIVO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA ONU?

 

 

Conheça uma das premissas para atingirmos um futuro mais sustentável, e entenda porque a ONU pediu mais investimento nesse objetivo. 

Em Setembro de 2017, mais de 150 líderes mundiais se juntaram na sede da ONU, em Nova York, para estabelecer uma nova agenda de desenvolvimento sustentável. Esta agenda é formada por 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que devem ser implementados por todos os países do mundo até 2030. 

Dentro dos 17 objetivos, o 7º é o mais interessante para o mercado fotovoltaico pois prevê o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível á energia para todos. A ONU decidiu incluir “energias renováveis” na pauta devido o fato de 1,3 bilhão de pessoas ainda não terem acesso á eletricidade moderna, 3 bilhões de pessoas dependem de madeira, carvão, carvão vegetal ou dejetos animais para cozinhar e obter aquecimento (opções que se tornam prejudiciais a saúde) e porque a energia é o principal contribuinte para as mudanças climáticas, sendo responsáveis por cerca de 60% das emissões globais totais de gases do efeito estufa. A energia de fontes renováveis – vento, água, solar, biomas e energia geotermal – é inexaurível e limpa, e atualmente constitui 15% do conjunto global de energia, ou seja, é necessário tornar a implementação das energias renováveis algo comum/habitual. 

 

- Qual foi a evolução que tivemos até agora?

No ano passado, um ano após a conferência, o investimento em energias renováveis superou o de combustíveis fósseis. Os números mostram que, embora o investimento em energias renováveis tenha caído 11% em relação ao ano anterior, 2018 foi o nono ano consecutivo com investimentos acima de 200 bilhões de dólares e o quinto ano consecutivo acima de 250 bilhões de dólares. A queda no investimento em 2018 pode ser parcialmente atribuída à baixa dos custos relacionados à tecnologia para energia solar fotovoltaica, o que significa que a mesma quantidade pode ser gerada com menos investimento, bem como a uma desaceleração na implantação da energia solar na China. No entanto, globalmente, a energia solar ainda foi o maior foco de investimento, com 139,7 bilhões de dólares em 2018, representando uma queda de 22%. O investimento em energia eólica aumentou 2% em 2018, totalizando 134,1 bilhões de dólares. Os outros setores ficaram muito abaixo, embora o investimento em biomassa e energia a partir de resíduos tenha aumentado 54%, para 8,7 bilhões de dólares.

O estudo compara o total investido em nova capacidade de geração de energias renováveis, que foi de 272,3 bilhões de dólares em 2018 (excluindo grandes hidrelétricas) em todo o mundo, com a nova capacidade de geração de energia a partir de carvão e gás, que foi de 95 bilhões de dólares. “As tendências globais continuam indicando que investir em energia renovável é investir em um futuro lucrativo. Os investimentos em energias renováveis em 2018 foram três vezes maiores do que o valor investido em novas capacidades para gerar energia a partir de carvão e gás”, afirmou Inger Andersen, diretora-executiva da ONU Meio Ambiente. 

 

- Porque a ONU pediu mais investimento em fontes renováveis de energia ?

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu mais investimentos em fontes renováveis de energia para proteger crianças da poluição do ar no sudeste e no sul da Ásia. O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, conversou com repórteres na quinta-feira. Ele afirmou que cerca de 620 milhões de crianças na região estão respirando ar tóxico e poluído. E acrescentou que crianças parecem ser mais afetadas do que adultos.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgou comunicado pedindo imediata ação para lidar com o problema. Segundo o órgão, governos da região e de todo o mundo devem adotar medidas urgentes para reduzir a poluição do ar, investindo em fontes renováveis de energia, que são mais limpas, como energia solar, em substituição a combustíveis fósseis.

Em reunião da Associação nas Nações do Sudeste Asiático, realizada neste mês na Tailândia, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a maior parte dos planos de construção no mundo, de usinas de energia que utilizam carvão vem do leste, sul e sudeste asiático. Ele pediu que seja proibida a construção de novas usinas a partir de 2020.

 

Fonte: Nações Unidas - ObjetivosNações Unidas - Energia Solar