Você não tem nenhum item em seu carrinho de compras.
Pesquisa
Voltar para todos os posts do blog

Energia Solar Fotovoltaica: As 5 dúvidas mais comuns

A energia solar fotovoltaica vem se popularizando rapidamente e a cada dia se tornando uma tendência no mercado. À primeira vista, sua grande economia a longo prazo e a diminuição dos preços são fatores atrativos. Além disso, essa é uma energia limpa, renovável, alternativa e principalmente sustentável.

Tendo isso em mente, e sabendo da dificuldade que existe em se encontrar informação de qualidade e verdadeira, nós, da WIN, decidimos ajudar você. Por isso, preparamos um artigo com as 5 duvidas mais comuns quando se fala em energias renováveis.

1)    Energia solar fotovoltaica X Energia solar térmica

Por mais que a energia solar possa ser conhecida como uma só, ela se divide em duas tecnologias diferentes que fazem do sol uma fonte de energia. 

A energia solar térmica usa o sol como fonte primária de energia (efeito fototérmico). Através do calor e dos aquecedores solares, a temperatura de um fluido (geralmente água) é elevada. Podendo assim ser utilizado para haver banhos quentes e para aquecer ambientes, como é na maioria das vezes utilizado.

Essa é uma tecnologia altamente eficiente no que diz respeito a redução do consumo de energia elétrica com aquecimento de água. Os coletores solares recebem em sua superfície o calor emitido pelo Sol. Esses coletores possuem dutos que são responsáveis por transportar o fluido aquecido até um local de armazenamento (tanque térmico) que é chamado de boiler. 

Já a energia solar fotovoltaica tem como princípio a geração de energia elétrica. Esse processo é possível através da conversão direta da luz em eletricidade, chamado de efeito fotovoltaico.

A célula fotovoltaica é a unidade fundamental deste processo de conversão, ao invés do calor do Sol, o responsável nesse caso pelo início do processo é a radiação solar. Por isso, quanto maior a radiação, maior a quantidade de energia possível de ser produzida.

Estas células são feitas de um material semicondutor, geralmente o silício, e são arranjadas em conjunto, formando os módulos (ou painéis) fotovoltaicos. Ou seja, quando a luz do Sol incide sobre uma célula fotovoltaica, os elétrons são postos em movimento, iniciando o processo de geração de eletricidade.

 

2)    Se faltar luz na rua, a energia solar ainda continua funcionando?

Depende do seu sistema. Se for um sistemas ON-GRID, sistemas conectados à uma rede da concessionária, então para estes casos a resposta sempre será NÃO. Você não fica com eletricidade quando ocorre falta de energia pela concessionária.

Isto ocorre por motivos técnicos de segurança, dentre eles, por conta do equipamento responsável por gerenciar a energia gerada pelo seu sistema fotovoltaico (inversor).  O inversor precisa ter algumas proteções obrigatórias, assim, ele pode ser utilizado em paralelismo com a rede elétrica usada pela concessionária para atender os consumidores.

A proteção é que faz com que o inversor automaticamente entenda que há falta de energia por parte da distribuidora. Dessa forma, ele se desconecta da rede e esse processo é chamada de anti-ilhamento.

            Já no sistema Off-Grid, não conectado em uma rede de distribuição, mesmo faltando luz em sua região, você continuará com energia. Em síntese, a excedente de energia acumulado ao longo dos dias fica armazenado em acumuladores (baterias).

3)    Quanto custa instalar um sistema de energia fotovoltaico?

Não existe um custo fixo ou pré-determinado, tudo depende de sua residência ou empresa, suas escolhas e seu consumo. Para a aquisição de um sistema, o imóvel passa por uma série de estudos, avaliações e análises.

Todo projeto fotovoltaico é único e personalizado, e baseia-se em informações do consumidor. Mas para você ter uma base do valor, existem duas analises iniciais para se fazer.

O primeiro passo, é uma análise do seu histórico de consumo. Essa análise é feita a fim de se obter um valor médio ao longo dos últimos doze ciclos de consumo (12 meses de conta de energia). Esse histórico é importante para que a análise não seja feita 

levando-se em consideração apenas um valor pontual de consumo, mas sim, entender possíveis variações. A partir disso já é possível definir em média o tamanho do sistema necessário para você.

O segundo passo, é sobre a possibilidade da instalação de um sistema que supra seu consumo. Nesta etapa, o projetista que irá elaborar o orçamento, deve fazer um levantamento técnico sobre a área em metros quadrados disponível para instalação. Assim como possíveis dificuldades, limitações técnicas e interferências que podem impedir ou dificultar a instalação ou funcionamento do sistema fotovoltaico.

A partir disto, já é possível elaborar um orçamento para a execução do projeto. Lembrando que estes são os passos iniciais, e a partir deles, uma série de análises ainda devem ser levadas em consideração.

4)    A minha conta de luz vai zerar se eu instalar um sistema fotovoltaico?

Infelizmente não. Mesmo que o sistema instalado seja suficiente para suprir todo o consumo de energia, existem valores em sua fatura que não são referentes à consumo. Esses valores mudam de acordo com a forma como você é atendido pela distribuidora, e são obrigatórios por estarem conectado à rede. 

Se você é um cliente residencial ou comercial (atendido em baixa tensão, grupo B), a sua obrigatoriedade com a concessionária é chamada de custo de disponibilidade, e o valor a ser pago é definido desta maneira:

  •          30kWh x tarifa (R$) para quem possuir conexão monofásica
  •          50 kWh x tarifa (R$) para quem possuir conexão bifásica
  •          100kWh x tarifa (R$) para quem possuir conexão trifásica

Ou seja, mesmo que você não pague pelo consumo, ainda será obrigado a pagar o custo de disponibilidade de energia, uma taxa mínima obrigatória. De acordo com a Resolução Normativa n°414, artigo 98 que concede direito a cobrança pelas distribuidoras.

Se você é um cliente comercial ou industrial (média ou alta tensão, grupo A), sua obrigatoriedade com a concessionária é chamada de demanda contratada. Todavia, o valor a ser pago é definido pela quantidade em kW (quilowatt) contratada junto a distribuidora para atender as suas cargas instaladas. 

Neste caso, não existem valores predefinidos, o que determina a quantidade contratada, é a previsão de carga instalada do local. Ou seja, é solicitado a concessionária por parte do responsável do projeto elétrico.

Portanto, qualquer cliente cativo, aquele consumidor que só pode comprar energia da distribuidora detentora da concessão ou permissão no local. E por isso, não participa do mercado livre e é atendido sob condições reguladas, possui obrigações junto a concessionária.

Ou seja, as duas modalidades de pagamentos será:

  •           Unidade consumidora grupo A – demanda contratada
  •          Unidade consumidora grupo B – custo de disponibilidade

5)    O sistema de energia solar fotovoltaico funciona a noite? E como?

O sistema fotovoltaico não funciona a noite, pois a noite não existe incidência de luz solar. O princípio de funcionamento dos sistemas fotovoltaicos se dá através da radiação solar que incide na superfície do painel fotovoltaico.

Quem possui sistema solar fotovoltaico instalado, durante a noite ainda precisará consumir energia elétrica da distribuidora, mas isso não deve ser visto como um problema. Como dito anteriormente, o dimensionamento do sistema ideal para cada cliente, passa por uma análise do histórico de consumo. Dentro desse dimensionamento, sempre deve estar sendo considerado toda energia que é consumida também durante a noite.

 Seu sistema possivelmente será capaz de produzir, em determinados períodos, mais energia do que a consumida, isso irá gerar um excedente. Dessa forma, os ‘créditos’ ficam armazenado na concessionária para que sejam consumidos em períodos noturnos por exemplo, onde não há geração de energia.

Essa característica de armazenamento, é definida pela Resolução Normativa N°482 da ANEEL como sistema de compensação de energia.

De forma geral, durante o dia o sistema deve ser capaz de gerar uma quantidade de energia que atenda todo o seu consumo.

Por fim, investir em energia solar fotovoltaica requer uma série de conhecimentos prévios para que todos os procedimentos sejam executados de forma correta. Esses conhecimentos e cuidados devem ser tanto por parte da empresa, como por parte do cliente.

Para sua maior segurança e economia, contrate uma empresa de engenharia especializada em sistemas fotovoltaicos. Dessa forma, você tem a garantia do projeto executado com qualidade e excelência e que suas dúvidas serão todas sanadas antes do início do projeto.

Nós da WIN contamos com a expertise e know-how do mercado de importação e distribuição. Por fazermos parte do grupo All Nations que é referência em tecnologia há 26 anos. Você terá todo o suporte com uma equipe especializada em Energia Solar para te assistir e auxiliar em todas as suas dúvidas e questionamentos.

 

Comentários
Write a Comment Close Comment Form